Finalmente nos cinemas

Desde os primeiros rumores de um longa do desenho ‘Os Simpsons’, no fim dos anos 90, o volume de informações conflitantes era enorme. Alguns falavam que o filme seria todo em animação 3D. Outros afirmavam que usariam atores de carne e osso. E muitos tinham absoluta certeza de que a passagem para o cinema só aconteceria após o fim da série na TV. Agora que Os Simpsons – O Filme finalmente chegou às telas, percebe-se que até os boatos foram uma grande tiração de sarro, digna do humor sarcástico do seriado.

O programa continua na televisão, em sua 18ª temporada, nenhum ator foi escalado e a animação segue o estilo deliciosamente tosco de sempre, ainda que com um acabamento digno do salto. Alguns podem até dizer que se trata de um dispensável episódio estendido. Mas como eles mesmos fazem piada disso logo na abertura do filme, qual fã irá reclamar de ver na telona a sua série animada favorita?

Avacalhar tudo, inclusive o próprio produto, sempre foi a especialidade dos roteiristas e dos desenhistas que trabalham com o criador Matt Groening. E se dá certo desde 1987, quando os personagens começaram a aparecer na TV em vinhetas do programa de variedades ‘The Tracey Ullman Show’, não havia razão para mudar. Seguem com Groening, desde o início, o roteirista Al Jean, os produtores James L. Brooks e Mike Scully e o diretor David Silverman – além dos quase 300 animadores que trabalharam na adaptação, os mesmos que cuidam da série animada.

Apesar de o roteiro ter sido guardado em sigilo absoluto, a trama do filme não é ousada. Sabia-se apenas que Homer faria uma besteira das grandes e que colocaria todos em perigo – ou seja, mais ou menos o que acontece toda semana. Falava-se de um acidente na usina atômica do Sr. Burns, mas não tem relação alguma. E mesmo os trailers veiculados não entregavam nada da história. No fim, era mesmo um episódio estendido – mas um dos bons, com todos os elementos que se espera do desenho.

Como na maioria dos episódios, o prólogo é uma bizarrice que, aparentemente, não tem nada a ver com a trama principal – Homer adota um porco. Este divertido esquete se desenvolve, de maneira inesperada, até um acidente ecológico de proporções catastróficas no lago Springfield. Com ódio, os moradores se voltam contra a família Simpson, obrigando-a a fugir da cidade. Some a isso um Bart carente de carinho paterno, uma Lisa que vive um amor juvenil e uma Marge que chega ao limite por conta das trapalhadas do marido e temos um improvável filme-família.

É um desenho com censura 12 anos que tem até um hilário nu frontal masculino. A estrutura pode ser a mesma da série, mas quem se importa se isso significa apenas mais piadas por metro de película? Todos os personagens conhecidos estão lá, ainda que alguns virem meros figurantes sem falas. Há referências a episódios famosos como desafio extra aos fãs. E não perca os créditos finais para ouvir as primeiras palavras da bebê Maggie.

Fonte: Jornal da tarde

%d blogueiros gostam disto: